domingo, 7 de outubro de 2012

O veneno



Fico pensando nas pessoas que vivem a querer comprar outras, impor suas opiniões e orgulho sobre a humanidade. Que alimentam o ego de tal forma que isso se torna sua vida. Naquelas pessoas em que a ambição é uma parte grande demais em seu ser, querendo sempre mais e mais, muito além do que precisam ser ou ter. Fico pensando naquelas pessoas que desconhecem a humildade real, e a diferença entre precisar, querer, e merecer. Trata-se de um veneno que bebem sem saber.
As pessoas compram umas às outras com palavras, com uma energia horrível e que os mais sensíveis concordam o quanto faz mal. Vendem-se a si mesmas e compram os outros constantemente. O orgulho, o ego e o egoísmo ainda são o veneno da humanidade, o que sempre penso que fará, algum dia, tudo isso que chamamos de “Planeta Terra” entrar em colapso.
Vivemos em um conflito de egos e necessidades próprias, e isso é a doença da humanidade. Eu odeio a ambição, alguns afirmam que ela é necessária, mas não deixo de pensar que suas conseqüências são cruéis. Há uma certa diferença entre a ambição e a vontade de melhora interna, que penso ser o mais importante.
Vejo pessoas a afundarem-se em si mesmas sem nunca conseguirem atingir o patamar de felicidade desejado, sem nunca conseguirem olhar para quem os cerca ou mesmo ouvir uma palavra que contribuiria. Ou mesmo distorcendo tudo o que ouve a seu bel prazer, porque, mesmo ao ouvir, não escutam, não entendem, lhes é desconhecido.
Me perdoem os que pensam diferente. Sei que sempre serão maioria. Mas o desabafo se fez necessário.